Um alerta no Cáucaso

Grão lançado ao ar por All3X às 15:29 de segunda-feira, 11 de agosto de 2008

No período anterior ao início dos jogos olímpicos, corredores viajavam por toda a Grécia marcando o período de trégua sagrada, na qual todas as batalhas e guerras deveriam cessar, para que a população pudesse, ao menos, chegar segura em Olímpia.
Contudo, isso ocorria nos tempos antigos. Na era moderna nem sempre é assim. Atentados terroristas já ocorreram em Munique e Atlanta. Além de dizer que três edições dos jogos não foram estabelecidas devido à ocorrência das duas grandes guerras.
Nesta edição de 2008, outra crise se estabelece. Ao menos duas mil pessoas já morreram no conflito na região da Ossétia do Sul.
A crise no Cáucaso se estende desde os períodos do império russo, quando os czares uniram militarmente as diversas regiões e povos distintos sob um mesmo governo. Situação que se manteve durante o comando do Partido Comunista Russo.
Com o fim da União Soviética, contudo, todas essas regiões passaram a buscar sua independência. E a Ossétia do Sul é uma dessas regiões. Pertencente à Geórgia, há tempos ela busca a sua autonomia, sendo que já se auto-proclamou independente, mas não foi reconhecida internacionalmente por nenhum outro país. Uma alternativa vista por eles é a união com o restante de sua etnia que vive na região russa da Ossétia do Norte.
Entre 1990 e 1992 um confronto militar já havia sido travado entre Geórgia e Rússia, depois que o Congresso de Deputados Populares da região proclamou a sua soberania. Outras duas mil pessoas morreram naquela ocasião. Hoje, o conflito se reativa depois pela influência de a província sérvia de Kosovo ter conquistado sua independência.
O que se mostra é que a Rússia ainda luta por controle sobre as ex-repúblicas soviéticas, que a todo o momento tendem a se aproximar com os EUA e o Ocidente, como no caso das aspirações da Geórgia em integrar a Otan. Além de que o presidente da Geórgia é aliado dos norte-americanos, sendo o seu governo o terceiro com mais tropas no Iraque.
Moscou enfrenta uma crise geopolítica para manter sua esfera de poder, mas o que faz dessa região 1,5 vez maior que o território de Luxemburgo e com uma população estimada em 70 mil pessoas tão cobiça dessa forma? O fato é nos últimos anos a região tem aumentado a sua importância estratégica na rota do transporte de petróleo e gás natural. Assim, interesses econômicos acirram as tensões.
Os conflitos separatistas – que contam com o apoio russo em termos militares e financeiros – já se espalharam, atingindo também a região da Abkházia, fazendo com que a Geórgia decretasse estado de guerra.
Enquanto o governo georgiano reclama a intervenção dos Estados Unidos – que faz o possível para retardar a ajuda, pois já se encontra suas atenções voltadas para o Iraque e Afeganistão – a Rússia responde enviando tropas para o território, alegando a defesa e proteção da população civil. Isso faz com que a Geórgia mobilize os seus reservistas e até mesmo passe a convocar seus militares que se encontram no Iraque. E ao usar de ataques aéreos, tanques e artilharia pesada, a Rússia sinaliza que está preparada para enfrentar um conflito mais intenso e mais longo.
Se o Conselho de Segurança das Nações Unidas não tem conseguido chegar a nenhuma conclusão, tememos agora a repercussão da crise. Depois de dialogar sobre a Paz a pouco tempo, percebo que é cada vez mais difícil atingí-la.

Postagens Relacionadas

Gostou deste artigo? Então deixe um comentário e assine nosso RSS Feed.
Imprimir esta página | Enviar para o Twitter | Recomendar no diHITT | Feed dos comentários

12 outro(s) grão(s) se juntaram a este.

  1. rosangela disse:
    Postado em segunda-feira, agosto 11, 2008 4:27:00 PM

    é triste tudo isso, guerra pelo poder, dinhiro, status.. e sei lá mais oq.. e quem sofre é a população que não tem nada haver com a guerra deles, claro que tem os manisfestante que apoia um lado e outro.. mas o ofrimento é grande..
    eu vi em uma reportagem que não me lembro agora onde tinha um Sra. com o corpo quase desfigurado jogada na rua como se fosse uma saco de lixo..

    abç..

    http://www.analucianicolau.adv.br/

     
  2. Postado em terça-feira, agosto 12, 2008 1:07:00 PM

    A coisa tá feia por lá... E não duvido que venha a piorar em breve. Se continuar após as Olimpíadas é quase certeza que haverá intervenção da ONU e principalmente dos EUA que sempre mete o bedelho onde não chamam, e que por sua vez apoiará a Geórgia por ter suas intrigas históricas com os soviéticos.

    Não dá pra saber que rumo essa história vai tomar. Que não seja dos piores...

    []'s

    http://musica-holic.blogspot.com/

     
  3. Postado em terça-feira, agosto 12, 2008 1:10:00 PM

    Pois então, logo que se iniciou a campanha norte-americana no Afeganistão havia quem atentasse para a possibilidade de que ela tivesse mais a ver com o oleoduto da Geórgea que com combates anti-terroristas.

    Você mesmo escreveu o texto, ou copiou de lagum lugar e "esqueceu" de dar os créditos?

     
  4. All3X disse:
    Postado em terça-feira, agosto 12, 2008 1:21:00 PM

    Concordo com você Rosângela, qualquer guerra traz grande sofrimento a pessoas inocentes dentro do contexto que vivem, e Jonatas, espero também que o rumo dessa história não seja para pior.
    Paulo, o texto foi escrito por mim, tendo como base tudo o que já foi dito pelos noticiários e por conhecimentos prévios da questão.
    All3X

     
  5. "O Autor", disse:
    Postado em terça-feira, agosto 12, 2008 1:37:00 PM

    Se é que um dia ela (a paz) foi realmente focada.

    O que á a paz, afinal?

    Um mundo sem guerras não é o bastante!

     
  6. Postado em terça-feira, agosto 12, 2008 4:05:00 PM

    É impressionante a quantidade de problemas históricos que envolvem algumas das ex-repúblicas socialistas do Leste Europeu (no caso, euroasiática). Na região dos Bálcãs, já tivemos a proclamação de inúmeras independências e a declaração de pelo menos uma guerra para cada uma.
    A Rússia não sabe lidar com as diferenças étnicas e com a "rebeldia" de ex-repúblicas soviéticas. A Chechênia é o exemplo mais famoso. Agora, o caso Ossétia do Sul. Ninguém cede, não há diálogo e as pessoas morrem. É um ciclo irritante. E agora, em tempos olímpicos.

    Até mais!

     
  7. All3X disse:
    Postado em quarta-feira, agosto 13, 2008 10:23:00 AM

    Nem tenho mais o que acrescentar, está correto Daniel, e esse ciclo deve ser quebrado, falta saber como.
    All3X

     
  8. Edu França disse:
    Postado em quarta-feira, agosto 13, 2008 10:32:00 AM

    Cara, é um conflito que na vewrdade nca parou, eu vivo em paris e aqui chegam coisas que aí não, todos os dias nos últimos 3 anos houve confronos de pequeno porte, o tempo todo.

     
  9. Postado em quarta-feira, agosto 13, 2008 10:57:00 AM

    A paz talvez seja uma dessas quimeras impossíveis criadas pelo homem moderno. Acredito que este desejo incrível de habitar o que do outro vai perdurar enquanto este planeta respirar.

     
  10. Erich disse:
    Postado em sexta-feira, agosto 15, 2008 11:40:00 AM

    Escrevi sobre isso no meu blog tbm ... como é que podem decretar cessar fogo e minutos depois os tanques bombardearem cidades !!!

    É muito bonitos os povos de mãos dadas durante as olimpíadas e no dia seguinte viram as costas.

     
  11. Postado em sexta-feira, agosto 15, 2008 2:27:00 PM

    Hipocrisia eh fods
    Enfim isso vai persistir pela vida toda
    Te espero la no meu!

     
  12. All3X disse:
    Postado em sábado, agosto 16, 2008 6:37:00 PM

    Edu, tendo conhecimento de maiores informações, você tem maior capacidade de analisar o fato. Mas Michel e Tales, não vejo que seja impossível alcançarmos um equilíbrio entre as sociedades, é algo que demanda tempo, mas que com trabalho se pode realizar.
    E isso mesmo Erich, quis contrapor justamente o parodoxo humano na postagem.
    Valeu a todos,
    All3X

     

Postar um comentário

"Cuidado... ao dizer alguma coisa, cuide para que suas palavras não sejam piores que o seu silêncio."
Não se intimide, seja livre para comentar!

Areias do tempo:

Grãos Associados:

BlogBlogs: