2008: Mudanças de Paradigmas

Grão lançado ao ar por All3X às 15:28 de segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

Um ano em que muito vai ser deixado para ser contado. O ano de 2008 marcou por tocar em questões antes controversas. Uma delas, com certeza, foi o cenário político norte-americano. Já tinha dito aqui que se Barack Hussein Obama fosse eleito o próximo presidente daquela nação, iria enfrentar questões oriundas do mundo moderno, que somente passaram a existir porque anteriormente não foram tratadas da forma que convinha.

As comparações com Martin Luther King Jr. foram imediatas, como aparecem também em outros espaços, que muito bem retratou essa figura esperada de alguém que enfrente esses pontos de frente. E as expectativas são muitas, que particularmente eu endosso.

A crise financeiro-imobiliária é um desses pontos, que levará o restante dos países a adotarem medidas para conter uma possível recessão global nos próximos anos. E essa crise só ocorreu devido à irresponsabilidade de alguns gestores. Somado a essa questão existem outras tantas que farão que os governos enfrentem um enorme grau de responsabilidade para a devida solução. Por tempos se acumulam políticas públicas ineficazes que apenas estendem os problemas, sendo eles passados adiante. O rombo contudo já se mostra atual.

Movidos pelo espírito de “faça alguma coisa”, e pelo modo em que se encontram as situações atuais, se mostrava premente a necessidade de buscar uma alternativa. E os estadunidenses a encontraram na figura de Obama, que resume bem as expectativas não só de seus cidadãos, mas também do restante do mundo. Busca-se agora uma potência líder no quadro internacional que seja mais humanizada, que saiba lidar com questões econômicas, sociais, políticas e ambientais de modo conciliador e justo com todos.

Muito já comentei por aí que não espero a formulação de verdadeiros milagres econômicos ou sociais, apenas não desejo mais a intransigência e truculência dos governos anteriores dos Estados Unidos. E espero que Obama trate dos assuntos necessários da forma mais adequada e racional.

Obama claramente irá defender valores nacionais, como todo líder deve fazer defendendo os interesses de seu próprio país. E existi aquele velho bordão de que o que seria bom para os EE.UU. seria bom para o resto do mundo. Creio que não será simplesmente assim. Quero apenas que o que for trabalhado dentro de sua política nacional possa ser adequado quanto ao resto do mundo, para que agindo internamente, Obama não vá contra valores esperados para todos os demais.

Este texto faz parte do Projeto G8

Leia também Bandeira Intacta para entender mais sobre a questão.

Postagens Relacionadas

Gostou deste artigo? Então deixe um comentário e assine nosso RSS Feed.
Imprimir esta página | Enviar para o Twitter | Recomendar no diHITT | Feed dos comentários

13 outro(s) grão(s) se juntaram a este.

  1. All3X disse:
    Postado em segunda-feira, dezembro 22, 2008 3:55:00 PM

    Com certo atraso, e texto não muito em formulado, entrego mais esta postagem.
    Até
    All3X

     
  2. Postado em segunda-feira, dezembro 22, 2008 6:52:00 PM

    Creio eu que o recém-eleito presidente Norte-Americano Osama bin... ops... Barack Obama, terá um dos maiores desafios mundiais desde a queda da bolsa de 29. Como frisei em meu post "ELEIÇÕES AMERICANAS", que se não me engano foi o primeiro post do meu blog, a sociedade americana elegeu tudo que eles mais odeiam na vida, um negro, de origem muçulmana, mas com um carisma que conquistou até os pró-Bush!
    Resta saber se ele vai ter não só carisma mas pulso forte pra retomar as rédias da economia americana, quiçá, mundial!

     
  3. Postado em segunda-feira, dezembro 22, 2008 8:52:00 PM

    Alex, você resumiu muito bem as expectativas depositadas em Obama e os motivos pelos quais este foi eleito.

    O mundo e, especialmente, os EUA enfrentam um período crítico não somente no que se refere à economia. A enfermidade é também ideológica, uma espécie de crise de identidade. E, para suportar esta turbulência, ficou claro que a agregação democrata seria mais eficaz do que o fatalismo republicano.

    Até mais!

     
  4. All3X disse:
    Postado em terça-feira, dezembro 23, 2008 11:37:00 AM

    Sim, Fernando, esperamos que ele saiba tomar as decisões corretas. E Daniel, gostei da afirmação que os norte-americanos buscam agora a agregação democrata ao fatalismo republicano. Resume bem a situação.
    Valeu,
    All3X

     
  5. Postado em terça-feira, dezembro 23, 2008 2:15:00 PM

    Verdade, 2008 foi um ano de virada.
    Olá, passei aqui hoje para prestigiar seu trabalho e trazer a paz do Senhor que me foi oferecida na missa do domingo passado.

    Feliz Natal.

    http://conscienciaacademica.blogspot.com/

     
  6. Marcelo disse:
    Postado em sábado, dezembro 27, 2008 10:19:00 PM

    É.. acho que a grande figura do ano foi OBAMA mesmo. O fato de ser negro o aproxima de Luther King, mas eu acho que as semelhanças se encerram aí. Ele nunca se levantou como um representante das minorias (negros ou hispânico), mas como um representante dos EUA que veio para defender os interesses dos EUA. Uma espécie de D.Sebastião ao estilo Yankee.
    Não sei até que ponto, o fato de termos OBAMA ou BUSH vai ser muito diferente para o resto do mundo. Não quero ser pessimista, mas há muita expectativa em torno dele e isso é igual a filme que é muito alardeado.. deixa a desejar porque se espera demais.
    Mas enfim, feliz 2009...
    Abraços

    Marcelo Leite

     
  7. Postado em terça-feira, janeiro 06, 2009 9:58:00 PM

    Alex,

    O texto é sintético, um raio-x bastante interessante da situação estadunidense. Creio que o carisma de Obama e a agregação democrata, citada pelo Daniel, serão pontos mais que positivos para o senador de Illinois.

    E quanto á crise, Obama tomará e seguirá o mesmo caminho de Roosevelt, que após 29, levou uma década para recompor a economia do país. Claro que Barack levará menos tempo, uma vez que o mercado atual estava mais preparado para enfrentar tais ventos e os gigantes agiram rapidamente.

    Bem, agora resta esperar - competência e menor genocídio.

    Abraços.

     
  8. Beatriz Paz disse:
    Postado em quarta-feira, janeiro 07, 2009 10:18:00 AM

    A verdade é que mesmo que ele seja um bom presidente, nunca alcançará o tamanho das realizações que esperam dele. Essa onda de que ele é o salvadorda patria do momento vai acabar ofuscando-o.
    Muito bom aqui. Deve ser por isso que está nos meus favoritos.
    Beijos!
    _____________________
    Soletra Pra Mim?
    www.soletrapramim.blogspot.com

     
  9. Postado em sexta-feira, janeiro 09, 2009 8:11:00 PM

    É, dia 20 tá chegando... Amigão, cadê vc? Tá de férias, né? Ah, rapaz... tô sentindo a tua falta.
    Alex, querido, de novo, pra variar, arrasou no texto. As expectativas são muitas, né? E, realmente, sendo democrata, é possível que ele puxe a sardinha para o próprio lado mesmo. Mas, sabe que já estou até com pena do Obama? Rapaz, é abacaxi atrás de abacaxi, eu dele fugia pra Marte. rs
    Beijos carinhosos pra vc!

     
  10. Postado em terça-feira, janeiro 13, 2009 12:07:00 AM

    Alex, amigão, tem presentinho pra vc lá no Babel, tá bom?
    Bjs!

     
  11. Postado em sexta-feira, janeiro 16, 2009 1:26:00 PM

    Oi, Alex! A posso do Obama tá chegando e milhares de expectativas foram lançadas sob o cara. Tomara que ele consiga dar conta do recado e administrar bem os EUA. Abraço e parabéns pelo texto!

     
  12. Postado em terça-feira, janeiro 20, 2009 11:05:00 AM

    Alex, se possível, passe no Sem Fronteiras para buscar alguns presentes da equipe para você!

    Abraços.

     
  13. All3X disse:
    Postado em quinta-feira, fevereiro 19, 2009 7:09:00 PM

    Pessoal, valeu pelas considerações.
    Valeu,
    All3X

     

Postar um comentário

"Cuidado... ao dizer alguma coisa, cuide para que suas palavras não sejam piores que o seu silêncio."
Não se intimide, seja livre para comentar!

Areias do tempo:

Grãos Associados:

BlogBlogs: